25 de jun de 2013

O ano de 2013 e suas surpresas!




No decorrer deste ano de 2013, estamos vendo diariamente alterações no mundo, como a renuncia do Papa, populações que despertam para exigir seus direitos, enfim mudanças no mundo inteiro.
E o Brasil, por sua vez, dando seu grito nas ruas, mas que grito é este?
Eu diria que justo é protestarmos contra as altas tarifas do transporte público, isto no país inteiro. Já falei inúmeras vezes: país evoluído tem transporte público de qualidade. Venho batendo nesta tecla por muitos anos, pois me lembro a primeira vez que estive em Roma e presenciei o caos de muitos automóveis nas ruas. Quem já esteve em Nova York, sabe que o sonho não é ter automóvel, mas, sim, andar com transporte público, táxis, que facilitam a vida dos americanos e turistas.
Também contra os altíssimos preços dos pedágios, especialmente no estado de São Paulo, enfim temos muito a melhorar, inclusive na saúde que é um problema de ordem MUNDIAL.
Mas tudo que fere a ordem, como depredação do patrimônio público e privado, deve ser veementemente reprovado. Estamos em uma democracia plena e absoluta, inclusive onde devemos sim nos manifestar, desde que dentro da ordem.
Com isto volto a perguntar: que clamor é este?
Este não é um clamor contra o governo, pois basta lembrar que já vivemos momentos e põe tempo nisto, onde nosso dinheiro não valia nada, onde tínhamos arrocho salarial e carro era coisa de rico. Isto inclusive depois do plano Real.
Este clamor, a meu ver, deve ser entendido contra aqueles que visam apenas o lucro em todas as áreas. Os planos de saúde, por exemplo, devem ter um rigoroso controle do governo. Cito isto porque a saúde está um caos no Mundo, apesar de no Brasil nós termos, felizmente, um sistema único de saúde, porém vejam que até o atendimento em convênios deixa a desejar, isto ocorre no país inteiro.
Agora acordemos para uma coisa: tudo tem um limite. Greve neste momento é atrasar o Brasil. Chega de greves. Eu sempre defendi o direito dos trabalhadores, todos sabem disto. Nasci em família humilde, trabalhei em empregos humildes, desde meus 12 anos de idade. Porém considero isto uma herança, já que me ensinou a lutar pela vida de maneira digna e honrada. Na prática, sim amigos, na teoria é muito fácil escrever, falar, etc.
Bauru tem uma herança terrível no sistema de transporte, mas graças a Deus isto vem melhorando. Entretanto não podemos deixar que a cidade pare, uma vez que estamos há dias sem um único ônibus funcionando.Uma cidade de quase quatrocentos mil habitantes, entra no sexto dia sem um ônibus circulando.
Eu sei que a turma do contra está batendo palmas, afinal eles não andam de ônibus. Eles não aceitam que o Brasil seja de todos, esta meia dúzia que sempre foi dona de tudo e agora percebe que somos todos iguais. A mesma turma que sempre mandou na política, na religião, agora vê que o Brasil é um país de todos. Por isto um apelo às pessoas de bom senso. Vamos protestar sim, TRABALHANDO. Vamos melhorar nossas vidas, TRABALHANDO. Nós cristãos devemos orar pelos governantes e trabalharmos, isto é bíblico. Na Paróquia do Bom Jesus, onde sou pároco, a maioria dos devotos tem carro. A grande maioria não é rica, mas são pessoas prósperas e bem sucedidas. Contudo não podemos deixar de pensar naqueles que  dependem do transporte público.
Deus abençoe os empresários, que têm direito a lucro sim. Deus abençoe os trabalhadores, que têm direito a melhorar de vida sim, que merecem melhores condições. Deus abençoe os políticos que lutam por todos. E cartão vermelho para quem visa apenas seus interesses. Oremos sim e 2014 vêm ai. Mais que a copa, temos eleições, mas tenham calma, pois o povo já está ligado que muitos políticos já estão em fim de mandato. Inclusive alguns nobres senadores, deputados e outros, que serão uma benção longe da vida pública, onde rezamos para que vivam bem e em paz. Enquanto isto NOVAS CABEÇAS ,novos nomes terão lugar.Que o Supremo Arquiteto do Universo nos guie. Acredito que os anjos dizem Amém.

Ps: Este texto é totalmente de minha autoria e responsabilidade. Não estou falando em nome da Igreja, embora tenha procuração para isto. Mas como cidadão brasileiro. Valmir Damásio